• Fluxxo

O mercado de trabalho atual e futuro da área de 3D



No Fluxxo Entrevista desta semana, batemos um papo com Luiz Maggessi, gerente de On-Air dos Canais Fox Sports. Luiz Maggessi, ilustrador e artista 3D, nos contou um pouco sobre a sua trajetória e a respeito das ações que ele e sua equipe realizaram para que a qualidade visual dos canais não caísse em razão de estarem trabalhando remotamente, apresentando-nos ainda uma perspectiva de como anda o mercado de trabalho para quem sonha ingressar nessa profissão.

Você é Gerente de On-Air dos canais Fox Sports no Brasil, uma área que muita gente ainda não conhece bem. Pode explicar pra gente um pouco sobre a profissão?


A área de On-Air da emissora funciona como uma Agência e Produtora ao mesmo tempo. Somos responsáveis por todo o visual do canal —peças promocionais de todos os programas e eventos. Criamos desde o conceito até a execução final. Produzimos Pacotes Gráficos dos Programas como vinhetas de abertura, tarjas, cartelas e telões. Criamos e desenvolvemos novos formatos para a área comercial como Inserts nos jogos e programas ao vivo. Dependendo do programa, também ambientamos virtualmente os cenários e mantemos uma demanda grande porarte diária para alimentar os programas com novas cartelas e informações para VTs e telões.Até o BUG (logo do canal no canto superior direito da TV) é responsabilidade nossa.

Como é o seu dia a dia na empresa?


A Fox Sports tem um dia a dia bem cheio. Temos programas ao vivo desde as 9h00 até as 22h00 e, dependendo do dia, pode passar da meia-noite.

Tenho uma equipe composta por 2 coordenadores, 4 motion designers, 1 redator, 2 editores, 1 sound designer, 2 estagiários e 1 jovem aprendiz.

O mais comum é termos demandas diárias (artes do dia a dia para os programas), semanais (promos para eventos e programas) e mensais (pacotes gráficos e novos conceitos visuais para os programas).

Tenho muita interação durante quase todo o dia com várias áreas para entender as necessidades e, junto com a equipe, montar estratégias de criação e execução das demandas. Não sou um gestor que apenas coordena a equipe. Gosto de estar ativo e sempre colocar a mão na massa em produções na parte da concepção, layout, animação. Costumo dizer que a hora na Fox passa bem rápido, pois normalmente o dia a dia é bem intenso e cada dia é diferente do outro.

Pra chegar a um cargo tão importante de uma grande empresa, com certeza você percorreu um longo caminho. Como foi sua carreira até chegar à Fox?


Vou tentar resumir.

Comecei bem cedo como ilustrador freelancer na Editora Abril. Não podia ser contratado, porque era menor de idade.

Conheci o 3D bem cedo também e comecei a estudar. Com ele, vieram os outros programas de composição, ilustração, edição etc. Comecei em uma época em que não existiam tutoriais, fóruns, YouTube ou qualquer tipo de material na internet ou nos quais buscar exercícios. Ficava tentando reproduzir as vinhetas que via na TV. As pessoas, naquela época, não eram tão especialistas, e isso foi ótimo porque me obrigou a passar por todas as áreas da produção.

Entrei na primeira produtora mostrando apenas alguns testes que havia feito no 3D. Tinha zero experiencia com qualquer tipo de formato para TV.

Lá, aprendi tudo isso.

Depois de 10 anos, com passagens por produtoras e pela Rede Globo, surgiu a oportunidade de montar uma produtora para atender ao Telecine (canais para os quais eu já fazia alguns trabalhos como freelancer).

Lá, fiquei por 5 anos e foi onde tive um grande crescimento profissional. Fizemos grandes trabalhos para Telecine, Globo e Fox, mesmo sendo uma equipe bem pequena.

Depois dos trabalhos para a Copa de 2014 para a Fox, fui convidado para ser o gerente do On-Air do canal. Vendi minha parte na produtora e aceitei o desafio.

Estou há 5 anos da Fox, o que me proporcionou um crescimento ainda maior. Hoje transito e interajo com todos os setores de uma TV que tem programação ao vivo durante a maior parte do tempo, 7 dias por semana.

Quais são os principais desafios atuais da profissão?


TV normalmente é um desafio constante. Você tem que se manter atrativo e atual o tempo todo. Tem que inovar. Tem que cativar. Ainda mais em um canal de esportes, no qual você mexe com a paixão das pessoas.

Já a parte artística eu sempre vejo com ótimos olhos. Hoje temos vários meios para publicar os trabalhos e vender isso.

Várias plataformas e formatos.

Como você imagina que será o futuro do mercado de trabalho da área, agora com o avanço da tecnologia e o crescimento de novas plataformas de conteúdo?


Já estamos vivendo isso. E muito de perto. O fã não aceita qualquer coisa que você coloque e hoje ele dispõe de ferramentas para dar feedback sobre isso em tempo real. Acredito que teremos uma força cada vez maior no digital. Mas a TV não morrerá. Ela dividirá espaço com os gadgets.

Por causa da pandemia, você foi forçado a enfrentar o desafio de gerenciar uma equipe remotamente, algo que deve ser mais comum no futuro com as empresas aderindo ao home office. Como se preparar para se sair bem nesse novo esquema de trabalho?


Sinceramente, no meu setor não tivemos grandes dificuldades. A grande maioria já mantinha uma workstation em casa, o que facilitou muito. Além disso, é uma equipe muito talentosa, bem organizada, dedicada e apaixonada pelo que faz. E falo isso porque organização e motivação atingiram facilmente 80% desse trabalho.

Foi muito legal também ver como todas as áreas se adaptaram. Equipes que estavam acostumadas com switchers e equipamentos de primeira linha tiveram de, sem aviso prévio, coordenar os programas de casa. Apresentadores e narradores passaram a usar suas salas de estar como estúdios. Foi incrível ver isso acontecer. E constatar que, mais uma vez, a organização e motivação fizeram a maior parte do trabalho.

Quais são as dicas que você dá para quem quer entrar na área?


A área de arte é um segmento profissional no qual você não para de trabalhar nunca. Porque é o seu hobby.

Estude muito, tudo que te interessa e que tenha relação com arte. Desenho, 3D, escultura, pintura, iluminação, tatuagem... tudo. Seja curioso. Nada será em vão. Não se prenda a uma única técnica. Divirta-se com isso. E tente fazer alguma coisa todo dia.

Mesmo que seja um pequeno rabisco. Assim, você vai começar a entender realmente aquilo em que você quer focar e se dedicar.

Monte um portfólio de trabalhos pessoais que você acha realmente bons. Mostre trabalhos que são do seu interesse e nos quais você tem vontade de se especializar. Não se preocupe em mostrar que fez algo para marca X ou Y. As pessoas irão se interessar pelo seu trabalho e pelo que você é capaz de fazer com a marca delas. Demonstre sempre interesse e determinação. Não tenha vergonha de dizer que não sabe. Pergunte. Divida o conhecimento. Essa área desafiará você todos os dias. Você sempre precisará de ajuda, assim como precisarão da sua.

Aprenda com os mais experientes, mas esteja aberto a aprender com os mais novos também.

Curtiu a entrevista? Se quiser acompanhar o conteúdo que compartilhamos aqui no blog, basta seguir a Fluxxo nas Redes Sociais! ;)




40 visualizações